Todos os mamíferos da Parmalat

Todos os mamíferos da Parmalat

Quem não se lembra dos comerciais com as crianças fantasiadas de mamíferos.

E ainda tinham as pelúcias que você podia colecionar… Uma mais bonita que a outra!

Um pouco da história da Parmalat:

A subsidiária no Brasil, a Parmalat Brasil, assim como a Parmalat no mundo, entrou em colapso. Com a aprovação da nova lei de falências (Lei nº 11.101/2005), a Parmalat Brasil entrou em recuperação judicial, onde seu plano de recuperação foi aprovado dando fôlego à empresa para continuar suas operações tal como aconteceu com a Varig e a Vasp.

Caixas de leite da Parmalat em Governador Valadares, Minas Gerais, Brasil.
Neste cenário, a Laep Investments Ltd comprou a Parmalat por R$ 140 milhões e vendeu a Batavo que estava dentro do complexo Parmalat para a Perdigão por R$ 120 milhões, ou seja, a Parmalat toda custou 20 milhões à Laep.

Em 2007, veio a crise do mercado leiteiro com a apreensão de dois lotes de leite da Parmalat pela ANVISA, porque estavam com suspeita de adulteração com soda cáustica e peróxido de hidrogênio, H2O2. Foi um escândalo que desvendou a adulteração em duas cooperativas de Minas Gerais que vendiam leite para a Parmalat e também para outras grandes marcas.

Em 2 de julho de 2009 a Laep, controladora da Parmalat, anunciou um novo acordo com as empresas que assumiram o passivo. As debêntures detidas hoje pelo Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Não-Padronizados Alemanha Multicarteira, que agora valem R$ 120 milhões, serão integralmente alienadas em favor do Emerging Market Special Situations 3 Limited ( ” EMSS ” ). O fundo, no entanto, só ficará com papéis representativos de R$ 85 milhões, que serão convertidos em uma dívida com vencimento em 31 de agosto de 2010. O EMSS receberá ainda uma opção de compra de até 50.893.994 ações classe A da Laep. Os R$ 35 milhões em debêntures restantes serão repassados do EMSS para a Companhia Brasileira de Agronegócios e Alimentação (CBAA). Mediante pagamento de um valor adicional não revelado, a CBAA ficará com as empresas Integralat e Companhia Brasileira de Lácteos. Esta última é dona de ativos como a chamada “unidade de fornos” da Parmalat, onde são produzidos biscoitos. Também é dona da fábrica de Itaperuna (RJ) e das marcas Duchen e Glória, entre outras, além de um centro de distribuição em São Paulo.

Um clima de otimismo ronda as ações da controladora da Parmalat Brasil, face esta ser considerada um porto seguro no cenário de crise econômica internacional, isto porque a Parmalat volta-se ao mercado consumidor interno com a venda de produtos de primeira necessidade. Em 16 de julho de 2009, a Nestlé iniciou o contrato de arrendamento da fábrica de Carazinho, a maior fábrica da Parmalat no país onde são produzidos leite longa vida, em pó e condensado, além de creme de leite. A Nestlé tomou posse da fábrica por 35 anos e este acordo é parte de um processo de fortalecimento de capital para a Parmalat. Para a Nestlé, é tratado como investimento para a entrada da empresa no ramo de laticínios. Em junho de 2010, o direito de uso da marca Parmalat no Brasil foi cedido para o consórcio Monticiano Participações S.A. e em dezembro de 2010, foi cedido à empresa de laticínios LBR – Lácteos Brasil S.A..

Separei fotos dos bichinhos de pelúcia e das crianças fantasiadas de mamíferos.

Estou postando também um vídeo de comercial da época e um vídeo do Canal Nerd Show, contando como a maior marca de leite do Brasil faliu… Confiram:

Deixe uma resposta